Na Vanguarda da Actualidade
Antes de fazer a nossa rubrica habitual ( que está a ficar cada vez menos habitual ) queria vos só dizer que o outro post que publiquei hoje já devia ter sido publicado há 3 dias atrás, por isso não pensem que sou uma daquelas pessoas que ficam agarradas ao computador, pois têm medo da luz solar. Mas agora passando ao Futebol. Na verdade, não precisava de escrever este post pois toda a gente já sabe do que é que eu vou falar. Seria até ridículo mencionar o tema, pois estaria a insultar todos os leitores deste blog. Mas como já pensam que eu sou um anti-social agarrado ao computador, eu vou dizê-lo: vou falar sobre o Mundial. À medida que essa data se aproxima,já ouvimos os nossos amigos e conhecidos, quer sejam adultos ou crianças a dizerem " Eu até falto à escola/ trabalho/ teletubies para ver Portugal a jogar". Não sendo um estudante de Direito, não conheço todas as nossas leis, mas tenho quase a certeza que os senhores que as escreveram não proclamaram que se podia faltar ao trabalho nos dias em que Portugal jogava. Mas agora que penso nisto, porque não fazer uma? Digo-vos mais uma vez que não sou um estudante de Direito, mas acho que vos posso garantir que era uma das melhores leis do livrinho. é que faz todo o sentido. Nem era preciso fazer um lista de prós e contras mas já que insistem: Prós: Toda a gente gosta de Futebol. Contras: Não contribui tanto para o desenvolvimento económico, como tecnológico de país. Mas também, quem é que se importa com a tecnologia? É graças a ela que pensam que sou um rato de computadores.
publicado por Sebastião Marques Lopes às 13:41 | link do post
Sendo apenas um jovem rapaz, não sou assim muito afectado pela crise. Pelo menos, não me sinto afectado. E também não sei muito sobre ela. A minha única bíblia sobre a crise são os testemunhos que as mulheres-a-dias me dão quase todos os dias na TVI. E, de acordo com o seu testemunho, a coisa está feia. Mas porventura, sinto-me extremamente baralhado quando vejo aquelas pessoas todas no rock in rio. Mas o rock in rio acontece de 2 em 2 anos, por isso não é assim tão mau. Isto também acontece em objectos do dia-a-dia. Por exemplo, estava eu sentado no sofá de minha casa a pensar no futuro da humanidade, quando olho para o tapete que está no chão. Após ter recordado todas as quedas e todas as vezes em que tropecei naquele tapete de Satanás, cheguei à conclusão que não servia de muito. Curioso fui à Internet ver quanto custava aquele objecto tão desnecessário. Os meus olhos quase que saltaram quando vi o preço. 129 euros... 139 euros... e para quê? Estou com dificuldades em perceber o seu uso. É suposto tornar o chão mais confortável? É suposto pormos os restos de vidro de um copo que partimos há pouco debaixo dele? É suposto ser uma armadilha para ladrões? É suposto ser uma máquina para trabalhar no músculo do braço sempre que deitamos para lá o líquido e temos uma esponja à mão? É suposto ser um elemento decorativo da casa? Após de pensar muito calmamente no assunto, cheguei à conclusão que a resposta é provavelmente a última. Mas também não sou uma mulher-a-dias, pois não?
publicado por Sebastião Marques Lopes às 13:40 | link do post
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Junho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
29
30
comentários recentes
LOL, confesso que já gostei mais de ser um gajo do...
Boa tarde caro camarada blogger, ainda no outro di...
o que é vexanços?
No meu grupo acontecia-me a mesma coisa com o "ouv...
Gosto muito :) e sinto que por muito que os homens...
O natal pode ser feliz, porque é só um ou dois dia...
Falha é no epíteto da SENHORA que, elegante e conh...
"acho que é durante a adolescência que conhecemos ...
Prevejo uma vida cheia de surpresas, nem sempre ag...
Bom...o primeiro passo rumo aos destaques, está da...
Posts mais comentados
10 comentários
9 comentários
7 comentários
3 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
subscrever feeds
SAPO Blogs